Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Insuportáveis

por PAS, em 10.09.09

o Homem como animal social tem uma inclinação natural para se insinuar em grupos, mesmo que isso ás vezes signifique fazer sacrifícios nas relações estabelecidas. ora esta conexão nem sempre é bem sucedida e em determinadas situações afigura-se como a excepção que confirma a regra, estou a falar daquelas pessoas cujo feitio, a postura, ou a orgânica do relacionamento é impossível de suportar.


não sou uma pessoa abstraída de consciência, conformo-me com a ideia de que posso ser difícil e de ódio fácil para quem não suporta uma relação a três, sendo o sarcasmo o terceiro elemento… talvez por essa razão não me surpreende a antipatia por aqueles que são incapazes de compreender o valor da comédia sarcástica.


a relação conflituosa, ou relação inexistente, não é de todo despida de intenções meritórias, são raras as situações cujas tentativas morrem ao primeiro olhar, mas o indício de antipatia fica residente. neste particular a capacidade de sofrimento e controlo é indivisível do ser.


quantas vezes não somos confrontados com indivíduos soturnos, verdadeiros zombies da sociedade, onde por empatia genética tentamos converter à nossa vivência humana? ou indivíduos que intempestivamente revelam reacções agressivas durante um debate de ideias? ou cuja forma ideológica é tão hermética que são incapazes de ouvir o pensamento de outrem? ou alguém cuja formação moral não permite intuir uma piada, uma expressão, um olhar?  há caminhos que inspiram a viagem e depois há os outros…

por vários motivos – incongruência, masoquismo, utopia – tento sempre vencer o óbvio, e visto o papel de conversor de estares. a esperança, aquela ideia comum entre todos os Homens, crentes e não crentes, conduz o âmago a um exercício de metamorfose comportamental, qual gesto de procura pelo momento em que a Carpa morde o anzol. a eficácia do acto é irrisória, mas por alguma razão, aquela esperança em mim não permite desistir ao primeiro revés e assim se multiplica o mal-estar, a insatisfação até ao momento do desespero e da ruptura.


não sei o que isto diz de mim, como também não sei o que isto diz da sociedade, das relações ou do Homem, mas sei o que o meu pai diria: não há nada como um indivíduo capaz de se rir de si mesmo!

 

PAS

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D