Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A relação petróleo/neurónios

por PAS, em 01.05.06

ok... à partida a razão entre estes dois fenómenos naturais - naturais de formas diferente, pois claro! - é algo abstracta, abstracta por que este é o novo vocábulo utilizado para justificar a inexistência.
eu, porque não sou pessoa para padecer nas raias da inexistência tratei de arranjar algo de substantivo para este adjectivo... a verdade, caros chewies (nome de todos os leitores ávidos por uma boa história... ou será estória?, estou tentada a escrever hestória, bem não sei!), é que a relação entre estes dois paradigmas da sociedade moderna vaticina o fim da existência. E perguntam vocês: mas como é que soubeste isso mestre? bem, não posso responder a essa pergunta, mas dou-vos uma pista: CLARIVIDÊNCIA!
O nosso, até à bem pouco tempo, amigo petróleo entrou numa onda de hostilidades. Recusa-se a reproduzir - mesmo violando as leis do santíssimo sacramento e Vaticano - continua a utilizar preservativos nos seus componentes, inviabilizando a criação! e nós esmorecemos com sede e ficamos expectantes com as sucessivas one night stand do gajo! Ora só me resta aferir o que já aferi, é o fim da existência... no oil no spoil, no spoil no fun, no fun buy a gun and eliminate your sad, sad, sad sorrow ass!
Quanto aos famigerados neurónios... é razão para dizer soltem os prisioneiros, sim porque nós só podemos estar encarcerados na burrice. Viver na sombra de um ímpio elemento como o petróleo, pecaminoso, que vive da luxúria... sim, é razão para os neurónios erguerem a honra e clamarem mea culpa, porque nós vivemos subjugados ao monopólio de subvertidos como o Sr.. petróleo, libertem os Leonardos DaVinci e os Einstein das nossas cabeças e submetamos o curso da tirania ao seu devido locci, que com indevido respeito, é debaixo (tipo 7 palmos) de terra!
Pois a relação entre estes dois ilustres está na razão matemática entre a burrice de um e a leviandade do outro! quanto mais ignóbil a atitude neurótica mais insultuosa é a produção petrolífera! E é bom que se diga: a petrolífera não prolifera... bonito ehm?!

PAS

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D