Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O caminho para a justiça no futebol há muito tempo que deixou de estar assente na premissa, “marcou mais golos, venceu o jogo, por isso é justo”, o futebol é hoje uma indústria que envolve milhões de euros. Clubes deixaram de ser meras associações desportivas para se transformarem em empresas, geridas com base no rigor financeiro, onde as vitórias são o cunho do sucesso da mesma.  Aquilo que antes era parte de um jogo – o erro de arbitragem - e aceitável pela simples condição desse mesmo jogo, hoje influencia o destino dos clubes, das empresas.

 

Não é lógico, nem tão pouco crível, que a rejeição da modernização da arbitragem, com recurso ás novas tecnologias, resida no argumento, que é “mais puro desta forma”, ou “que o erro faz parte do futebol”. Sim, o erro faz parte de muitos desportos, mas não de forma tão influenciável como acontece no futebol.

 

É óbvio que não se pode revolucionar uma posição de decisão se não houver abertura para modernizar, uma figura que esforça-se, há décadas, para acompanhar o nível de modernização que o futebol tem sofrido.

 

Pode haver cepticismo, descrença na solução de erros de arbitragem, ora por ignorância nos meios existentes, ou pela simples razão de se pensar que o recurso às novas tecnologias tenham tendência para tornar o jogo mais lento.

 

Pois eu tenho uma ideia, um conceito que gostaria de apresentar, que tornaria o árbitro num agente de jogo com acesso a múltiplos níveis de informação, capacitando-o de tomar decisões acertadas, a que hoje está impossibilitado, ou simplesmente destinado a errar.

 

A ideia reside num simples objecto, auxiliado por uma figura externa, fora das quatro linhas de jogo, com acesso às imagens de jogo em tempo real.

 

O objecto: Google Glass (ver aqui)

 

A utilização: Com o Google Glass o árbitro teria acesso a repetições em tempo real através de um feed enviado pelo auxiliar no exterior do terreno de jogo.

 

Exemplo: Fora-de-jogo duvidoso

Nesta circunstância seria dada continuidade ao lance de jogo, sendo possível com acesso à repetição invalidá-la posteriormente, em caso de irregularidade. Mesmo em situação de golo, este só seria validado depois de confirmada a posição legal do jogador.

 

Exemplo 2: Penálti

Um jogador cai na área. O árbitro pára o jogo e com acesso às imagens de repetição toma a decisão.

 

Exemplo 3: Expulsões

Seja por situações de entradas perigosas ou agressões, o árbitro pode consultar as repetições enviadas para o seu Google Glass  para avaliar se a expulsão é a decisão acertada.

 

Exemplo 4: Bola dentro ou fora da baliza

Já está em utilização o olho de falcão no campeonato inglês, dessa forma a comunicação entre ambas as tecnologias seria muito mais estreita e automática. E não existindo o olho de falcão, noutros campeonatos, as repetições seriam novamente o auxílio perfeito para o árbitro.

 

Num mundo onde as novas tecnologias estão cada vez mais presentes, onde cada vez mais pessoas assistem a jogos pela televisão ou internet, onde pessoas nos estádios têm acesso a informação em tempo real e repetições dos jogos, nos seus smartphones e tablets, é apenas lógico que se assista a uma evolução num desporto que move milhões, tanto ao nível de espectadores como de euros.

 

PAS

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D